precisam da nossa ajuda!

precisam da nossa ajuda!
Contato: resgate@seashepherd.org.br

sábado, 5 de fevereiro de 2011

“The Cove Guardians” – Relatório de Taiji, Japão: equipe da Sea Shepherd documenta massacre de golfinhos.

Estarei postando aqui no Blog diariamente notícias sobre a equipe da Sea Shepherd que está documentando a rotina do massacre de golfinhos que ocorre todos os anos em Taiji, no Japão.

Para ver notícias sobre os dias anteriores, acesse: http://blog.seashepherd.org.br/



Hoje, nenhum golfinho foi morto ou levado para cativeiro em Taiji, no Japão.

Todos os barcos saíram para a caça bem cedo, mas retornaram sem sucesso, após ter perdido preciosos recursos depois de uma manhã inteira no mar... 

Os números significativamente retratam uma época que só pode ser descrita como decepcionante para os caçadores de golfinho que ainda não ultrapassou 700 golfinhos mortos, com pouco mais de um mês e meio da temporada de caça. 

Embora estejamos felizes pela queda no número de golfinhos mortos, também estamos muito preocupados, pois esses números podem realmente significar que os oceanos do Japão estão sendo fortemente empobrecidos das populações de golfinhos. 

Em dia de caçada, os barcos ficam no mar cerca de 4 a 5 horas, procurando golfinhos. Todos os que eles encontram, são abatidos, sejam filhotes ou fêmeas prenhes.
Nossos ativistas estimam que, os japoneses em Taiji estão eliminando potencialmente 1/5 da população de golfinhos a cada ano.

Os membros da equipe da Sea Shepherd aproveitaram o dia hoje para observar o cercado onde ficam os golfinhos que serão levados para cativeiro. Eles relatam muito sofrimento, é nítido que estes golfinhos estão completamente deprimidos.

Foto tirada hoje pelos ativistas da Sea Shepherd que observavam o cercado onde ficam os golfinhos que serão vendidos para cativeiro.

Se você não faz ideia do que realmente acontece em Taiji, no Japão, veja este vídeo: youtube


Fonte: Sea Shepherd


Um comentário:

  1. vocês fazem uma otima coisa para os golfinhos.
    ajudem a cada dia mais.

    ResponderExcluir